FELIZES OS SANTOS

Muitas pessoas interrogam-se hoje sobre o sentido da vida e mesmo até se vale a pena viver. Esta pergunta é mais dolorosa quando se trata de uma pessoa doente, humanamente sem futuro, ou mesmo diminuída a tal ponto que a comunidade humana rejeita-a, como acontece com algumas crianças que nascem com incapacidades graves.

A Solenidade de Todos os Santos, quase ao terminar o Ao Litúrgico, vem recordar-nos que a vida humana é um dom de Deus e tem sentido e valor. Estamos na terra de passagem, em tempo de prova, mas a nossa verdadeira Pátria, na comunhão da Verdade e do Amor, é o Céu para sempre.

A primeira leitura é tirada do Livro do Apocalipse de S. João, 7, 2-4,9-14, apresenta-nos um vislumbre dos bem-aventurados no Paraíso. A Igreja convida-nos hoje a pensar que também nós, um dia, faremos parte da corte celeste.

A segunda leitura, também de S. João, extraída da sua 1.ª Epístola, 3,1-3, dá-nos a razão fundamental da nossa esperançada felicidade do Céu: somos filhos de Deus. Mais ainda: “agora somos filhos de Deus e ainda não se manifestou o que havemos de ser. Mas sabemos que na altura em que se manifestar, seremos semelhantes a Deus, porque O veremos tal como Ele é”.

O Senhor Jesus preocupa-Se com cada um de nós e deseja ver-nos felizes e contentes, mesmo já nesta vida. No Evangelho segundo S. Mateus, 6, 1-12ª, Jesus convida-nos a procurar refúgio no Seu Sagrado Coração,

Aos olhos de Deus não há heróis ocultos. Por Isso, todos os santos têm a sua festa. É a festa dos nossos pais e parentes, amigos e conhecidos. Canonizou-os a graça e o amor de Deus, em que viveram e morreram. Festa da Igreja, povo de santos. É a hora de colher em triunfo o que foi semeado com humildade. Festa do optimismo cristão, que vem dar estímulo na luta r a certeza de chegar ao fim, Os santos são “os que vieram da grande tribulação e branquearam as suas túnicas no sangue do Cordeiro” – lemos na 1.ªleitura. A Solenidade de Todos os Santos, celebra a vitória de Cristo e o triunfo da graça.

Os santos são os felizes do mundo. “Felizes sereis” – lê-se no Evangelho. Encontraram as formas de realização total, que leva à plenitude do coração e da vida. Santidade é a plenitude do homem, a felicidade sem misturas. Consiste em estar com o Senhor para sempre. (1.ª Epístola de S. Paulo aos Tessalonicenses 4, 17). Então Deus enxugará todas as lágrimas. Convidados para o banquete, comeremos e beberemos da plenitude de Deus (Epístola de S. Paulo aos Efésios 2,19). Fomos criados para sermos felizes e já o somos desde agora., Se estivéssemos ainda à espera, Cristo teria morrido em vão. A nossa felicidade é Cristo e vive-se em união com Ele.

“É deles o Reino dos Céus” – narra o Evangelho. As bem-aventuranças são o caminho para a santidade. Os santos são os pobres de coração, que se esvaziaram de si mesmos para se encherem de Deus. Só os pobres se abrem à santidade e aceitam as suas exigências, disponíveis e incondicionais. Nada podem, de nada se vangloriam, porque “a salvação é devida ao nosso Deus e ao Cordeiro” (1.ª leitura). Tudo se resume em seguir a Cristo, servo e pobre, nossa riqueza e única bem-aventurança. Para ser santo, não precisa imitar ninguém. Basta-me ser fiel ao talento repartido, às exigências da graça. Só o que sou sei8 fazer bem. Ser eu, não outro, é o meu ideal de santidade, a função que me toca como membro de Cristo. Toda a imitação será caricatura.

A felicidade não está em ser pobre, mas nos valores que a pobreza nos traz. Quando sou pobre é então que sou rico; quando me sinto fraco é que sou forte. Felizes os santos, porque são mansos e puros de coração, porque são perseguidos e têm fome e sede de justiça. As bem-aventuranças de Cristo desencadearam a grande revolução, o projecto de felicidade que transforma o mundo. Os Santos sãos os violentos que arrebatam o Reino dos Céus.

A Celebração Eucarística é assembleia dos santos, reproduzindo na realidade da fé e da esperança a comunidade dos bem-aventurados. Está o mundo de parabéns. Os Santos são património da humanidade, tesouro de família. O esplendor da sua vida torna o mundo mais belo. Na sua santidade atinge plenitude a perfeição do homem e o dom da vida, Os Santos, quanto mais crescem para Deus, mais se aproximam dos homens. Crescer em santidade é crescer em humanidade.

Este é o nosso dia. Todo o cristão é santo, aureolado de graça e de virtude à imagem de Jesus Cristo. Para a minha festa, basta-me a alegria que vai no Céu e no coração do Pai, quando me converto e sou melhor. O melhor do mundo são os Santos.

A Santa Mãe de Deus, Rainha dos santos, nos ajude a percorrer com decisão o caminho da santidade; Ela, que é a Porta do Céu, introduza os nossos entes queridos defuntos na família celeste.

Diácono António Figueiredo

Diácono António

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s