NO PRINCÍPIO ERA O VERBO

Reflexão à Liturgia da Palavra da Missa do Dia do Natal do Senhor

Alegremo-nos! Nasceu no mundo o nosso Salvador. Pastores, Anjos e estrelas viram a sua glória, manifestada num Menino recém nascido. Só não O reconhece quem não tiver lugar para Ele. Com Jesus Menino nasce o homem novo, reclinado e envolvido no mesmo mistério de amor e aparências. Um novo mundo começa, instaurado na unidade de Jesus Cristo, como Cabeça e destino. O Filho de Deus fez-se “filho do homem”, herdeiro da nossa fragilidade, construtor da mesma história. Esvaziou-se de grandezas e divinos atributos para ligar o seu destino à nossa liberdade e caminhos imprevistos. Deus quis fazer-se homem, assumindo a nossa condição, para que, tal como o fermento introduzido na massa, nos divinizar e fazer crescer. A expressão natural e perfeita compreensão entre Deus e os homens é fragilidade e ternura.

No ambiente em que vivemos, parece-nos que o cristianismo tem cada vez menos influência na vida das pessoas e instituições. Depois de tantas infidelidades que cometemos, não será que Ele nos põe de lado, fazendo que o cristianismo floresça noutras regiões do mundo? O nascimento do Salvador vem repetir-nos que Deus está connosco para nos salvar e nunca nos abandonará, sejam quais forem os nossos pecados. 

Isaías, numa visão profética, muitos séculos antes do nascimento de Jesus, canta a beleza do Redentor, “nos pés do mensageiro que anuncia a paz, que traz a boa nova, que proclama a salvação”. Ele vem ao nosso encontro para nos libertar da escravidão do pecado e nos oferecer uma alegria e felicidade sem fim. Disto nos dá conta a primeira leitura tirada da profecia de Isaías 52, 7-10. 

Deslumbrado profeticamente com a vinda do Salvador, o salmista entoa um hino de louvor ao Altíssimo. Entoemos também nós este hino de louvor ao nosso Deus, porque já temos entre nós o Salvador do mundo. Para Salmo Responsorial é proposto o Salmo 97 (98), 1.2-3ab.3cd. 4.5-6

Na introdução da Epístola aos Hebreus, o autor sagrado faz um resumo da História da Salvação, para a coroar com a vinda de Jesus Cristo. Depois de o Pai ter revelado aos homens muitas vezes e de muitos modos, enviou-nos o seu Filho feito Homem, como Sua Palavra, última e definitiva. A Epístola aos Hebreus é sem dúvida, o célebre escrito doutrinal e exortatório, começa com um prólogo solene que nos situa, sem rodeios, perante a suma dignidade da pessoa de Jesus Cristo, à semelhança do prólogo do Evangelho de S. João. Começa por mostrar que é n’Ele que o Pai nos fala e se revela de modo exaustivo e definitivo, em contraste com toda a revelação anterior, fragmentária, variada e feita numa fase da História da Salvação. A segunda leitura da Missa do Dia do Natal do Senhor, é da Epístola aos Hebreus 1, 1-6.

Acompanhemos S. João Evangelista na contemplação do Verbo de Deus que se fez um de nós por amor, para nos salvar. A leitura evangélica de hoje, S. João 1,1-18, é o prólogo do IV Evangelho, que constitui a chave para uma profunda compreensão de toda a obra do discípulo amado e da Pessoa adorável de Jesus Cristo: Ele é o Verbo incriado, o Deus Unigénito que assumiu a nossa condição humana e nos oferece a possibilidade de sermos filhos de Deus. 

O Verbo, segunda pessoa da Santíssima Trindade, existe em Deus desde sempre e é Deus. Vemos que Ele, a Palavra, se fez carne e S. João legou-nos este magnífico hino. Assim sabemos quem Ele é, que Ele existe e O devemos amar, porque é Deus e Deus é amor, Amor eterno e incriado do qual dependemos. É esse que adoramos e Esse a quem dobramos o joelho, é a Esse Deus que referimos as virtudes teologais. Afirmamos ainda a nossa dependência como criaturas contingentes que aparecemos e desaparecemos; Ele é eterno e absoluto, não depende de ninguém; a nós cumpre-nos, como toda a criação, dar-Lhe glória: agradar, pedir e louvar, em gratidão diária de filhos e filhas pobres e humildes.

Ele vence o poder das trevas dando-nos o exemplo de como lutar contra todas as desordens para nos situarmos um dia junto de Deus como Ele: o Verbo era Deus e estava junto de Deus. Tudo foi criado por meio d’Ele. Ele vence o poder das trevas. Ilumina todo o homem, veio ao mundo e os seus não o receberam. Ajoelhamos e levantamos as mãos diante d’Ele em pedido de socorro, batemos no peito porque somos pecadores que necessitam de perdão para a multidão de pecados que nos antecede. Quem se prostra de joelhos no chão, reconhece que diante de Deus não é mais que pó.

“E o Verbo se fez carne e habitou entre nós”. Há presença pessoal e tangível de Deus entre os homens, expressa numa dupla imagem: põe a Sua tenda no mundo como um nómada; e nele se oculta a glória de Deus como antigamente na nuvem; só o Filho é que nos revelou Deus Pai, a quem jamais ninguém viu.

Vivemos para aduzirmos como testemunho a nossa fé; e como João Baptista dar testemunho da Luz que a todos ilumina. Aproximemo-nos da Virgem Maria e com Ela contemplemos a Jesus Cristo, que na pobreza do presépio também nos acolhe com simpatia na paz de um sorriso.

Diácono António Figueiredo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s