ACREDITARAM NO AMOR

Comentário à Liturgia da Palavra do II Domingo do Tempo Comum, Ano C 

O milagre de Caná é manifestação da divindade de Cristo. Vimos a humanidade de Deus na ternura dum recém-nascido e agora conhecemos a sua divindade na evidência de um sinal, revelada num contexto de amor. Jesus é Deus-connosco. Quis identificar-se comigo, viver a humana experiência de amar e ser amado.. Onde houver amor aí está Ele, porque Deus é Amor. 

Deus manifesta-se quase sempre mediante sinais simples, porém significativos e de alcance inesperado. Assim foi naquele convívio matrimonial em Caná da Galileia e do mesmo modo sucede no hoje concrecto de cada pessoa que se abre à novidade do Evangelho e se deixa envolver pela sua beleza e densidade.

Neste Domingo, como em cada Domingo, o Senhor coloca diante dos nossos olhos o sinal grandioso da sua infinita e soberana bondade. Senta-se à mesa e revela-se-nos, dando-se como pão da vida eterna e cálice da eterna salvação. Eis o vinho novo, saído9 do Coração de Cristo, que preenche de vida as talhas vazias da nossa pobre condição de mendigos de Deus.

Somos verdadeiramente felizes, porque convocados a participar do banquete das núpcias do Cordeiro; esse legar da plenitude da alegria maior a que se pode aspirar.

Na primeira leitura, tirada da Profecia de Isaías 62, 1-5, o profeta da esperança, abre horizontes de alegria ao povo que andava nas trevas. Também nós seremos a alegria do nosso Deus, na medida em que lhe formos fiéis.

No Salmo Responsorial trata-se do Salmo 95 (96) 1-3.7-8a-9-10ac, refere que Deus é a fonte da nossa alegria e a razão do seu anúncio a todos os povos da terra.

A primeira Epístola de S. Paulo aos Coríntios, 12, 4-11, preenche a segunda leitura. A diversidade de dons do Espírito revela a magnificência de Deus e a sua misericórdia para connosco. Assim como n’Ele não há obstáculos nem sombras, também em nós Deus destruirá os limites impostos pelo nosso egoísmo e a sede de protagonismos se nos dispusermos a acolher o fogo purificador e recriador do seu Espírito.

O Evangelho proclamado neste Domingo vem de S. João 2, 1-11. Nas Bodas de Caná Jesus revela a sua missão no momento em que veio a faltar o vinho, a alegria, a novidade da aliança. Ele vem transformar o velho em novo, a tristeza em alegria e a distância entre Deus e a humanidade, num abraço de amor esponsal, próximo e inquebrantável. Acolhendo o pedido de Sua e nossa Mãe, façamos o que Ele nos pede, em vista de sermos manifestação concrecta e corajosa da aliança que Deus quer estabelecer com o seu povo.

Na narrativa de S. João existe uma perspectiva pascal. “Os discípulos acreditaram n’Ele. O milagre acontece num “terceiro dia”, na expectativa da “sua hora”. Não foi antecipação, mas anúncio. Começa hoje a manifestar-se a glória que se completará no dia da ressurreição. A glória que os discípulos vislumbram hoje na fé, acreditando n’Ele, hão vê-la com os seus olhos e tocá-la com as suas mãos. “O que as nossas mãos tocaram da Palavra da Vida, o que vimos e ouvimos vo-lo anunciamos” (1.ª Epístola de S. João 1, 1-3).

Começa a Igreja a formar-se pela fé dos discípulos que hão-de ser suas colunas e fundamentos. Firmada na fé, o amor será a lei e a força para unir e consolidar. A Igreja é a comunidade de amor, celebração nupcial entre Cristo e a humanidade. Foi na encarnação do Verbo que Deus desposou a humanidade pecadora, “abandonada” à sua condição de infiel, para fazer dela a Jerusalém nova, “meu encanto”, “desposada” (Isaías 62,4). A Igreja nasce do amor e vive no amor: O Reino dos Céus é semelhante a um banquete de núpcias que o Pai preparou para seus filhos.

“Estava lá a Mãe de Jesus” – revela o Evangelho. Tinha de estar. Começava a Igreja a lançar os fundamentos da fé. Por isso, tinha de lá estar a Mãe da Igreja, como esteve em Belém e estará no Calvário. Começa Maria a sua missão de intercessora. Ela também aparece como sinal. É apenas “a mulher” colaboradora de Cristo na obra da redenção p0arab refazer a obra que outra mulher destruiu. Toda a sua vida e missão começa e termina em Jesus, apressando horas e sinais. A Serva do Senhor só quer dar-se e servir, fazendo-se sinal que nos estimula e desperta.

As bodas de Caná revelam-nos um Cristo irmanado connosco na nossa vida real. A sua presença na festa descobre o rosto de Deus que se alegra na alegria de seus filhos. A felicidade do ser humano é a alegria de Deus. A presença de Jesus recorda-nos também a santidade do matrimónio. O amor conjugal funda-se e vive no mistério de Cristo e dele tira a fecundidade e a missão criadora. Como Cristo, os esposos cristãos, pela mútua doação, dão a vida pelos homens. Através do amor humano cresce o Corpo Místico de Cristo em estatura e graça.

Ameaçam a toda a hora a vida matrimonial, os ídolos do egoísmo e da impureza desfigurando o rosto de Cristo. A Virgem Santa Maria nos ajude a seguir o seu convite: “Fazei o que Ele vos disser”, a fim de que nos possamos abrir plenamente a Jesus, reconhecendo na vida de todos os dias os sinais da sua presença vivificadora.

Diácono António Figueiredo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s