Reciclar… a moda!

Makayla Wray, em Nova Iorque

Alfaiate de rua de NYC pretende reduzir o desperdício de fast fashion.
Makayla Wray quer mostrar às pessoas que o estilo não tem de vir da compra de roupa nova. A jovem de 29 anos está a gerir a sua própria loja de costura móvel nas ruas de Nova Iorque, a renovar roupas velhas no local. As pessoas podem passar pela sua loja móvel de costura em Manhattan e deixar qualquer coisa para ela renovar.
Wray viu em primeira mão as pilhas de resíduos que vêm de grandes fabricantes de moda. Agora, pede às pessoas para guardarem as suas roupas. “Muitas pessoas pensam que as roupas de fast fashion só devem durar para aquela temporada de tendências”, disse Wray ao Business Insider. “Ainda é material no final do dia. Como, ainda pode ser transformado em algo. Gostaria de normalizar as pessoas que reutilizam e guardam as suas roupas.”
Algumas vezes por semana, estaciona o carrinho no coração do SoHo, rodeado de marcas de retalho de luxo e fast fashion. O escritório dela é um antigo carrinho de assar nozes que está equipado para funcionar como uma oficina de costura móvel, abastecida com equipamento em segunda mão para reparações rápidas. Ela faz todo o tipo de remendos na hora, desde remendar mochilas rasgadas até substituir botões em camisas velhas. “Os botões têm sido muito do meu negócio aqui”, disse. “As pessoas livram-se das coisas por não terem um botão. E é uma solução tão fácil.” Quando não está no carrinho, trabalha como costureira para um designer têxtil vintage. E aos fins de semana, o seu apartamento desdobra-se numa oficina onde transforma tapetes de couro em casacos e entre outros projetos.
Setenta por cento da fibra produzida, globalmente, todos os anos acaba num aterro ou é incinerada, num total de mais de 37 milhões de toneladas de material desperdiçado. O tecido de upcycling é um enorme desafio logístico para os grandes fabricantes – mas a Wray acredita que os consumidores têm o poder de mudar a indústria da moda. “Se as pessoas parassem de comprar, as indústrias não produziriam tanto. E podíamos voltar a gostar dos pequenos fabricantes de casas pequenas que tratam bem os seus trabalhadores”, disse. “Eles não têm de trabalhar o dia todo e toda a noite porque milhões de pessoas não estão a pedir umas calças que vão ser usadas durante uma semana.”
A pandemia COVID-19 está a mudar a forma como as pessoas compram. Os retalhistas de moda foram atingidos este ano, mas algumas empresas de vestuário em segunda mão viram um aumento nas vendas.

Joana Brígida

artigo preparado por
Joana Brígida

Publicado por

Padre Diamantino Faustino

Pároco de Linda a Velha

2 opiniões sobre “Reciclar… a moda!”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s