CNE 626 caminheiros-promessa

Promessa de Caminheiro

O Guia procede à chamada de modo nominal e individual dos noviços e aspirantes. Cada candidato, ao ouvir o seu nome, coloca-se de pé, faz a saudação e responde em vós alta “Servir” e dirige-se ao Altar

Chefe ou Guia de Tribo:

«Homens novos para um mundo novo», eis a síntese do nosso projecto. A insatisfação do que somos é o ponto de partida. Peregrinos do infinito, vencemos na esperança o esforço de caminhar. Fazemos nossa a palavra de S. Paulo: «Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente a fim de conhecerdes a vontade de Deus».

Noviços/Aspirantes:

Chefe, fazemos nossa essa proposta. Esse é o nosso caminho. A vida em Clã e o esforço colectivo pelo crescimento responsável e fraterno, são meios de realização. Vivemos e estamos abertos a partilhar com quem queira fazer seu este ideal.

Chefe:

Muito bem. Fico feliz com a vossa adesão.

Nov./Asp.:

Chefe, é meu desejo tornar-me Caminheiro (a)

Chefe:

É com alegria que verifico o vosso desejo. Lembrai-vos porém que Caminheiro é aquele que vive a convicção de não ter aqui morada permanente, que vive o desprendimento do peregrino, que alimenta o seu espírito na alegria da partilha animada pela caridade. Quereis viver este ideal?

Nov./Asp.:

Sim, com a ajuda de Deus, quero ser Caminheiro(a).

Chefe:

Qual a divisa que queres viver?

Nov./Asp.:

Servir.

Chefe: Dirigindo-se aos Caminheiros, pergunta:
Irmãos Caminheiros, aceitais estes jovens na nossa Fraternidade?

Caminh.: Sim, aceitamos.

Chefe:

Bem-vindos à grande família Escutista. Que esta pertença seja para vós entusiasmante, ao mesmo tempo que a enriqueceis com o dom de vós próprios. Perante as bandeiras, o Livro da Palavra de Deus e o Círio Pascal que é a Luz do Homem Novo, fazei a vossa Promessa de Escuteiro, compromisso solene a que vós vos obrigais, diante de Deus e da comunidade.

Neste momento avançam as bandeiras. Os novos Caminheiros, estendem o braço esquerdo sobre as bandeiras, fazem com a mão direita o sinal escutista (saudação) e diz:

Nov./Asp.:

Prometo, pela minha honra e com a graça de Deus, fazer todo o possível por:
Cumprir os meus deveres para com Deus, a Igreja e a Pátria;
Auxiliar os meus semelhantes em todas as circunstâncias;
Obedecer à Lei do Escuta.

Assistente: 

Segurando na mão um dos lenços, diz:
Recebe este lenço da cor do fogo e do sangue; que ele te estimule ao entusiasmo no Serviço e à coragem no sacrifício, próprios do Homem Novo.

(A seguir são chamados os padrinhos/madrinhas)

Madrinha / Padrinho

Em nome de Deus, Santa Maria, São Jorge, São Paulo, São Francisco de Assis, eu testemunho a tua promessa de escuteiro e prometo porteger-te como tal.

(padrinhos/madrinhas regressam ao lugar)

Chefe:

Olha para esta vara bifurcada. Ela é para ti a imagem de dois caminhos. A escolha do bem, mesmo à custa de sacrifício, será para ti libertadora. Tendes à vossa frente um caminho longo e aliciante.

Entrega a vara ou toca com ela no ombro de cada um dos novos Caminheiros

Chefe:

Reconheceis que o Movimento Escutista é uma Fraternidade Mundial e que ao entrardes para ele vos tornais amigos e irmãos dos Escuteiros de todo o mundo?

Caminh.:

Sim, reconheço.

Chefe:

Pois bem, pela vossa fidelidade à Promessa, honrai sempre esta Fraternidade, vivendo como Jesus Cristo ensinou «amai-vos uns aos outros como Eu vos amei».

Cumprimenta cada um dos novos Caminheiros.

Desde este momento, fazeis parte da grande família dos Caminheiros do CNE.

(Se for fora da Eucaristia)

Caminh.:

Padre não queremos partir sem a sua Benção

Assistente:

Como nos diz o Senhor Jesus, vós sois a luz do mundo, vós sois o sal da terra; não se pode esconder a luz, nem pode o sal perder o sabor. Por isso Deus vos abençe (+) para que, assumindo solenemente o compromisso de serdes, em Cristo, Homens Novos para um mundo novo, partais com a certeza que Ele fará o caminho convosco, como vosso amigo e companheiro, e o Seu Espírito será vosso guia para vos dar força e coragem na longa jornada da vida

Caminh.

Ámen

Se a promessa for fora da Eucarístia, de mãos dadas rezam a Oração do Caminheiro.